O que é impressão flexográfica? Conheça suas características

O que é impressão flexográfica

A impressão flexográfica é um método amplamente utilizado no mundo inteiro para imprimir etiquetas personalizadas de forma rápida e eficiente. Ao longo do tempo, esse sistema de impressão tradicional passou por melhorias significativas em suas técnicas de pré-impressão e impressão, o que permitiu seu aperfeiçoamento.

A flexografia tem forte presença em vários mercados e atualmente é o método de impressão mais relevante no campo de embalagens, englobando uma ampla variedade de materiais, incluindo embalagens flexíveis, papelão ondulado, papel, cartão sólido, papelão, filmes, entre outros. Graças a suas vantagens e características, teve um crescimento notável na produção de rótulos.

Neste artigo, não vamos tratar de questões técnicas, mas vamos nos aprofundar nas dúvidas sobre o que é uma impressora flexográfica para que o leitor possa tirar todas as suas dúvidas.

O que é impressão flexográfica?

A flexografia é um método de impressão direta em que a tinta é transferida diretamente para o substrato por meio de uma chapa flexível. Esse sistema, em sua maioria rotativo, caracterizado pelo uso de rolos e materiais em bobinas de vários tamanhos, utiliza chapas flexíveis com relevos pronunciados.

A flexografia

Essa técnica de impressão é conhecida por sua velocidade e eficiência econômica no uso de desenhos simples e áreas de cor em uma variedade de materiais, como papelão ondulado, plásticos, envelopes e outros. O destaque está em sua versatilidade para imprimir em uma ampla variedade de substratos, o que a torna uma opção altamente adaptável para várias necessidades de impressão.

Como o processo funciona?

O processo utiliza chapas flexíveis, também chamadas de estênceis, normalmente feitas de fotopolímero para garantir acabamentos de alta qualidade e detalhes finos. O fotopolímero é conhecido por sua durabilidade excepcional, resultando na reprodução fiel dos desenhos. Além dessas chapas, são usadas chapas de borracha para fabricar elementos como as tradicionais almofadas, acrescentando versatilidade ao processo de impressão.

As tintas aquosas na flexografia atual secam rapidamente por evaporação e são seguras para o contato direto com os produtos. As tintas UV, polimerizadas com lâmpadas, são comuns, mas para produtos alimentícios elas exigem tintas de baixa migração. Para reduzir o consumo de energia e as emissões de ozônio, as tintas UV LED estão sendo fomentadas.

Da pré-impressão à impressão, a jornada das impressoras flexográficas

Fase 1: pré-impressão

A impressão flexográfica começa com uma proposta, normalmente para embalagens (como caixas, rótulos, contêineres etc.). O processo começa com a gestação do design digital e termina com a montagem das chapas, que podem ser fabricadas internamente ou encomendadas a fornecedores externos especializados em gravação. Em seguida, é criada uma placa para cada cor de base, que são sobrepostas durante a impressão para reproduzir fielmente o design original.

Depois de preparadas, as chapas são montadas em um cilindro de impressão revestido com uma fita de montagem, garantindo um posicionamento preciso. Essa etapa é fundamental, pois a montagem incorreta pode levar a resultados indesejáveis e forçar o reinício do processo do zero.

Quando tudo estiver pronto, é hora de aplicar as cores. No processo de quatro cores, são usadas cores CMYK (ciano, magenta, amarelo e preto), mas também podem ser adicionadas cores especiais, dependendo do design. É recomendado limitar o número de cores e vernizes ao número de unidades de impressão disponíveis na impressora para evitar passes adicionais.

Fase 2: impressão

Aqui, é essencial ter uma impressora flexográfica adequada ao que se deseja imprimir. Nem todas as impressoras são iguais; por exemplo, uma impressora de etiquetas (geralmente em linha, bobina a bobina e banda estreita) difere significativamente de uma impressora de papelão ondulado (geralmente de grande formato e bobina a folha) ou flexográfica (geralmente de tambor central e banda larga).

Para isso, é essencial ter uma impressora flexográfica adequada para o tipo de produto a ser gravado. Trabalhar com uma máquina de etiquetas, normalmente em linha e de banda estreita, é diferente de trabalhar com uma máquina de papelão ondulado, normalmente de grande formato e bobina a folha, ou de material flexível, normalmente de tambor central e banda larga.

Cada tipo de máquina tem suas próprias características e requisitos específicos, o que implica em diferentes abordagens e técnicas de impressão, dependendo do substrato e do formato de impressão.

Etapa 3: a montagem da chapa moldada

Depois que as chapas estiverem no lugar e todo o equipamento estiver preparado, a próxima etapa envolve a montagem da chapa moldada no cilindro ou rolo de chapa, que é então alimentado na máquina de impressão. Dentro da impressora, a chapa é acoplada ao rolo anilox, que pode ser feito de cerâmica ou aço.

No rolo anilox, pequenas cavidades chamadas células retêm a tinta. À medida que ele gira, a tinta é transferida para as áreas em relevo da chapa de impressão. Depois de pintado, o rolo continua a girar até tocar o substrato, transferindo a tinta para o material final e criando a impressão desejada.

Apesar das limitações inerentes, a flexografia está se posicionando como uma forte concorrente de outros sistemas de impressão por vários motivos. Por exemplo, ela está desafiando a rotogravura devido ao aumento da velocidade da máquina, à qualidade superior e à sua maior rentabilidade econômica, especialmente para pequenas tiragens, uma tendência proeminente no mercado atual.

Ela também rivaliza com a impressão digital em termos de custo, exceto para tiragens extremamente pequenas. Essa capacidade de competir efetivamente faz dela uma opção viável e versátil no cenário da impressão.

As características da impressão flexográfica

Flexibilidade

A flexografia é conhecida por sua versatilidade na admissão de uma variedade de tintas, como tintas à base de água, solventes ou curáveis por UV, bem como por sua compatibilidade com uma ampla gama de materiais flexíveis.

Velocidade

Essas impressoras custo beneficio podem operar em velocidades muito altas por minuto, o que facilita a produção de grandes tiragens. Além disso, elas também são capazes de executar pequenas tiragens de forma econômica, o que oferece grande flexibilidade em termos de produção.

Automação

A programação dessa ferramenta é extremamente simples e acessível.

Baixa necessidade de manutenção

A flexografia exige manutenção mínima, o que ajuda a reduzir os custos associados a ela.

Econômica

Os materiais usados em uma impressora flexográfica são geralmente mais baratos em comparação com outros métodos de impressão.

Ecossistema amigável

A flexografia facilita o uso de tintas à base de água, que são recicláveis. Além disso, as chapas podem ser lavadas com água, o que torna esse método de impressão mais ecologicamente correto do que outros.

Variedade de tons

A flexografia elementar é baseada em uma paleta de quatro cores (CMYK): ciano, magenta, amarelo e preto. No entanto, é possível incorporar cores especiais, dependendo da configuração da impressora, o que amplia a gama de cores disponíveis.

Em equilíbrio

Atualmente, a flexografia continua sendo uma das tecnologias de impressão mais relevantes e amplamente utilizadas no setor. Com avanços constantes em materiais, tintas e técnicas de impressão, ela evoluiu para oferecer qualidade de impressão excepcional e maior eficiência de produção.

Pode lhe interessar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *